sexta-feira, 21 de abril de 2017

SUSSURRO QUENTE DA NOITE


No sussurro quente da noite, languidamente o sono boceja…
Sono cansado de tantos caminhos em sonhos perdido…,
Em sonhos achado…
Perdido na bruma do devaneio
Entre nevoeiros de solidão… a lembrar abril,
Achado no sonho onde a quimera se faz real…

No sussurro quente da noite…
Deixemos que cada sonho se sonhe,
Que os nevoeiros da solidão se dissipem
E que os sonhos se tornem quietudes
Que sejam abraços,
Que sejam sorrisos, afetos, afagos…

Deixemos que o sussurro quente da noite
Adormeça a solidão
E que o sonho se torne abril
No despertar da manhã clara.


De Maria La-Salete Sá

(imagem da net)


quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

TEMPO INTEMPORAL


O que há de mais intemporal que o tempo?
Do que o tempo que se perde a cada momento
E a cada momento se encontra?

O que há de mais intemporal que o tempo
Se ele traz dia após dia o mesmo sol,
Noite após noite as mesmas estrelas?

O que há de mais intemporal do que o tempo
Se no próprio tempo ele se perde
E se retoma instante a instante…?

O que há de mais intemporal?
O que há?!...
Apenas o sopro que…
No remoto tempo
O tempo criou…

De Maria La-Salete Sá (25/01/2017)

imagem da net



terça-feira, 17 de janeiro de 2017

FORA DO NORMAL...

    A vida é um acontecer de acontecimentos ininterruptos, ora calmos e serenos, ora agitados e plenos de surpresas.
    Ultimamente tem sido assim a minha vida...
    Eu, que pensava conduzi-la e controlá-la, reconheço que tem sido ela a conduzir e a orientar o meu agir, o meu saber ser, dar, aceitar e estar...
    Têm sido dias em que, longe de me centrar na habitual rotina do dia a dia, vejo que as ações, os pensamentos e até as minhas prioridades têm sido ditadas por situações pontuais, situações estas que me conduzem para fora de mim, na participação ativa e consciente, numa entrega aos acontecimentos que vêm surgindo. São estes acontecimentos, muitos deles inesperados, que se têm transformado nos faróis orientadores das minhas ações, dos meus pensamentos, dos meus sentimentos e emoções, empurrando-me para fora da minha zona de conforto, levando-me ao encontro de quem de mim precisa...
    Tem sido o meu duplo, o meu duplo espiritual a viver em mim e por mim. Quase posso dizer que tenho sido mais do que eu nos momentos em que me transformo tão somente em ouvinte, sem questionamentos, sem juízos de valores pré concebidos... Tenho sido ouvinte atenta, recetáculo de confidências e motor de ajuda permanente. Têm sido tantos os momentos, as situações que vêm ao meu encontro, uns pedindo para simplesmente serem ouvidos, outros para transmissão de reiki, outros para receberem uma palavra de conforto, de carinho...Têm sido situações que me vão pondo à prova, que me alertam para o facto da vida ser feita de vários conceitos e de diversas verdades.
    São verdades que me são confidenciadas e, mesmo não fazendo parte do meu estado de ser, consciencializam-me de que são etapas no percurso de quem me interpela e pede ajuda, que não sendo as minhas verdades, são as verdades desse patamar existencial.
    Não dou conselhos, transmito o que a minha alma sente e crê, a luz que orienta o meu caminho, sem imposições, deixando que a pessoa (ou as pessoas) a quem me dirijo aceitem ou não as minhas ideias, a minha conduta, a minha ética.
    É isso, procuro manter a ética nas conversas que se desenrolam quando me querem como ouvinte, como terapeuta, como ombro amigo.
    Estando, ou tendo estado assim envolvida, o meu tempo para ler, escrever e estar mais em mim vai-se perdendo. Mas jamais se perde porque, mesmo fora de mim, mesmo com e para os outros, é o amor que carrego no coração, o amor pelo que EU SOU que orienta e tem orientado estes dias, estes momentos.
    Sei que só amando o SER QUE SOU poderei amar quem sou, quem e o que me rodeia, porque se me deixar ser apenas este pequeno eu egóico, nada sou…, mas sendo EU como presença de AMOR e LUZ, ou seja, EU o SER INTERNO que me habita e a quem AMO, não tenho limites nem impedimentos para a comunhão plena com TUDO e com TODOS, pois que TUDO e TODOS somos AMOR DIVINO e INCONDICIONAL.
   

Pois então que seja este AMOR a mola impulsionadora de todos os momentos da nossa vida.


Maria La-Salete Sá (16/01/2017)

(imagens da net)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

A PORTA DE TRÁS


Trás-trás-trás
Ouviu-se o rapaz
Na porta de trás…
…e…Zás!

Logo saíram três,
três de uma só vez:
o espanhol e o francês
e depois o inglês…

…que…por um triz…
não partiu o nariz
ao escorregar
num pau de giz…

E o rapaz
na porta de trás
ao ver que eram três
três de uma só vez
para um só pau de giz
foi contar à Beatriz!

Esta chegou veloz,
e de tanto correr
quase ficou sem voz…
e só disse: Troz…troz…
ai… perdi a minha noz!...

Brilha ao fundo uma luz,
ouve-se na porta do lado
um:Truz…truz…truz…truz…
é um duende de capuz…

Entra sorrateiro o maroto,
faz piruetas, corre e salta,
grita, canta, faz traquinices,
mostra a sua meninice e…
zás!
vem o rapaz!
logo depois mais três,
três de uma só vez,
rola no chão um pau de giz,
corre para ele a Beatriz,
e deixa cair uma noz,
que rola, rola veloz…

E o duende de capuz…
caiu e fez…
CATRAPUZ!

De Maria La-Salete Sá

(imagem da net)




domingo, 18 de dezembro de 2016

Canção de Guirela

https://youtu.be/xUTr1UQ3odo


Rusga MF

https://youtu.be/8tLRZtTVNy0


Regresso às origens! Já o pai deste senhor cantava ao desafio na loja do meu pai, nos meus tempos de criança e de juventude!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

MERGULHANDO NA MINHA ESSÊNCIA

Sempre que mergulho nas águas límpidas da minha essência, sei que não sou apenas eu que nelas me encontro… Sempre que aí mergulho sou a humanidade inteira, sou o TODO, sou o UM…
E ao saber-me assim, ao sentir-me assim, uma onda de amor me agita, se expande, se propaga, na intenção de tocar cada coração, cada ser, cada partícula por onde passar. É um amor que pretende abarcar o mundo num abraço de pensamentos felizes, de pensamentos positivos, de esperança e de fé…, um abraço capaz de tocar e penetrar nas barreiras onde se aloja a dor e o sofrimento…, um abraço de compaixão, não um abraço de piedadezinha, mas um abraço de paz onde a negatividade possa ser atenuada ou dissolvida.
E este abraço, tal onda em crescendo, percorrendo e preenchendo de luz e de amor tudo e todos por onde passar, é o presente que tenho para a vida, para o mundo, para mim, para a humanidade.


Fiquem então neste abraço.