quarta-feira, 19 de novembro de 2014

ANTECÂMARA


Enclausurados em seus castelos fantasmas
vivem nos sonhos moribundos...
A realidade refugia-se no sonho,
sonho fantasmagórico de noite/dia,
tempo sem tempo...
... neste tempo...
também ele perdido...
enclausurado
no mesmo castelo fantasma
onde a vida apenas se esfuma
e passa ao lado.... sem vida...
Vida amorfa,
perdida nas brumas
onde apenas vagueiam
afagados pelas mãos carinhosas
de gente que é gente,
de gente que se entrega sem limites,
de gente que procura manter colados
os pedaços das vidas fragmentadas,
pedaços que palpitam no coração
de cada cavaleiro andante,
de cada donzela...
ainda enamorada
dos seus sonhos de menina...
mesmo que enclausurados
nos seus castelos fantasmas...

De Maria La-Salete Sá (15/05/2014)

 (foto retirada da net)



Escrevi este texto depois de ter estado de visita a um amigo num lar de idosos. E vi, como descrevo, homens e mulheres "enclausurados em seus sonhos, em seus castelos fantasmas", mas vi também muito amor e muita dedicação nas pessoas que lá trabalham. Mesmo perdidos da realidade (não todos, muitos estão bem lúcidos) há sempre alguém que lhes dá carinho, que lhes dá um afago, que os ama.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A COM…PASSO

Correm apressados
os passos
que, com pressa,
se afastam
tão depressa
que, na pressa,
se esquecem
que vão com pressa.

E nesta pressa,
assim apressada,
às vezes a compasso,
outras a descompasso
vai a vida,
passo a passo…

E, devagar ou apressada,
ao ritmo de cada passo,
ao embalo do compasso
ela se desenrola
na cadência
do seu passo…

De Maria La-Salete Sá




O QUINTO ELEMENTO

Oiço o canto alegre do mar,
Sinto o abraço envolvente do vento,
Desperto no calor amigo do sol ,
Danço sobre a areia da praia…

Sou feliz na envolvência
Dos quatro elementos!

E sorrio ao mar,
Abraço o vento,
Com os pés acaricio a areia da praia
E aqueço corpo e alma neste sol de fim de tarde…

… Sou, neste enquadramento,
O quinto elemento…

E nesta união,
Conjunção elemental,
Podendo ou não ser elementar,
SOU FELIZ!


De Maria La-Salete Sá (24/05/2013-18,45h-Foz do Arelho)


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

FEITICEIRA SEM CARTOLA…


Sou feiticeira sem cartola,
faço magias,
semeio alegrias,
invento coelhos com asas brancas,
pombas de olhos vermelhos,
meninos e animais
que jogam à bola,
e ainda muito mais!...

Sou feiticeira sem cartola,
do bolso voa um sorriso,
do olhar uma moeda…
E não fico por aqui!
Pois então, ora vejam lá!
da manga da camisola
tiro um urso pardacento
para dormir ao relento
e saborear o luar!

Sou feiticeira sem cartola,
sem capa e sem varinha,
sou feiticeira, fada madrinha
de imaginação sem limites,
pinto estórias, crio rimas,
sou dona dos meus inventos,
e neste espaço de tempo
fico-me a cogitar…
na magia que se segue…

magia que me diz que…

…mesmo sem cartola,
sem varinha de condão,
a magia é fruto do amor…

… e não há custos
no fabrico de sonhos,
na distribuição de sorrisos…,

assim como não há taxas
para os voos da imaginação.


De Maria La-Salete Sá (23/10/2014


FRAGRÂNCIAS

Cheiro intenso,
Incenso
Silvestre,
Agreste,
Entre o campo
E o mar…



Maresia
Mesclada de pinho,
De madeira cortada
Plena de odores…
Doces e acres,
Suaves, intensos…
Terra cavada,
Seiva de erva cortada…

…São fragrâncias,
Aromas celestes
Que se espalham
Em meu redor,
Vertidas do céu,
São…
Fragrâncias de AMOR


De Maria La-Salete Sá (09/06/2013- 18,14h – Foz do Arelho)








Imagens do google